O QUE É A CÁRIE?

 

Cárie é considerada uma doença. É ocasionada por uma bactéria e acomete os tecidos dentários. Se não tratada, pode levar à dor forte e até a perda do dente.

É uma doença de evolução lenta. Para o início de seu desenvolvimento, é preciso cerca de 3 semanas. Depois de instalada o processo varia muito das condições de higiene e dieta. Porém até a perda do dente, passam-se anos.

 

COMO A CÁRIE SE DESENVOLVE?

A cárie inicia sempre através do acumulo de placa bacteriana sobre a superfície dental. Apenas um único tipo de bactéria, a Streptococos mutans,  é que consegue desencadear o processo cariogênico. Ela metaboliza açúcares da dieta, especialmente sacarose e frutose (para dar início ao processo de desmineralização do dente). Uma vez esse processo se inicia, outros tipos de açucares são capazes de manter a cárie ativa.

placa bacteriana

ilustração da placa bacteriana aderida ao dente

 

Ou seja, a falta de uma higiene correta, aliado a uma ingestão de açúcar é que vai criar um ambiente propício para a formação da cárie.

 

 

 

COMO POSSO VER SE ESTOU COM CÁRIE?

Ao contrário do que muita gente pensa, a cárie não é sempre um buraco no dente, muito menos uma mancha preta. Quando se inicia, ela é uma mancha branca. Sim, branca! Essa mancha tem aspecto fosco e é de difícil visualização por leigos. Com a evolução da doença, ela vai se tornando mais amarronzada e cavitada (abre-se um buraco no dente). Normalmente é nessa fase que o paciente a identifica.

cárie

cárie com manchas brancas

cárie cavitada

cárie com cavitação

 

A cárie pode não evoluir para uma lesão com buraco, permanecendo só uma alteração de cor, que inicia branca e termina escurecida. Não necessariamente essa lesão estará  ativa. Sendo sua remoção opcional tanto do profissional quanto do paciente.

 

 

Portanto é muito difícil o paciente diagnosticar sua própria cárie. Quando identificada, seguidamente já está em um caso avançado. Normalmente precisamos de uma identificação profissional, com um campo seco e iluminado. Muitas vezes necessitamos da ajuda de um RX para identificar lesões de cárie entre os dentes, o que clinicamente é muitas vezes impossível.

 

QUAL O PAPEL DA SALIVA NA EVOLUÇÃO DA DOENÇA?

Como dito anteriormente, a cárie precisa de açúcares como combustível. Além disso, ela precisa de um pH ácido do meio bucal. Aí que entra o papel da saliva. Ela tem o poder de elevar o pH da boca após as refeições. Isso chama-se efeito tampão, ou seja, neutralização dos ácidos bucais. Existem pacientes com uma saliva com uma capacidade tampão maior, outros, menor. Outro ponto importante é a quantidade de saliva. Quando maior o fluxo salivar, mais rápido o pH volta a ficar neutro.

Por isso que pacientes com pouca salivação (xerostomia) têm uma tendência maior de ter cárie.

 

MEUS DENTES DE TRÁS TÊM UMAS MACHINHAS PRETAS. O QUE SÃO?

sulco pigmentado

sulco pigmentado

Sem examinar não há como responder com precisão. Porém em muitos casos confunde-se sulcos pigmentados com cáries. Normalmente os pacientes se assustam quando enxergam esses risquinhos pretos. Na grande maioria das vezes não é nada com que se preocupar. São apenas sulcos da anatomia do dente que se pigmentam através da dieta, sem maiores problemas. Mas atenção, sempre pergunte ao seu dentista para ele fazer o diagnóstico correto!

 

COMO FAÇO PARA EVITAR DESENVOLVER CÁRIE?

A cárie precisa de alguns pontos de gatilho para a sua formação.  Normalmente é um tripé, no qual na falta de um deles a lesão não se desencadeia.

  1. Presença e quantidade da bactéria Streptococos mutans

Precisamos ter esse tipo de bactéria para dar inicio ao processo. A imensa maioria da população a carrega. Quanto mais alta a concentração dessa bactéria na microbiota oral, pior o prognóstico.

  1. Presença de placa bacteriana

As bactérias tem que estar presentes na placa – ou biofilme – bacteriano formado sobre o dente. Essa placa se forma sobre o dente, mesmo se não comermos nada. É uma espécie de gosma branca que se aloja, normalmente junto da gengiva e em fissuras dentais. Ou seja, mesmo se não comermos nada, é preciso escovar os dentes diariamente para evitar a formação desse biofilme.

O tempo de formação da placa é bem variado. Mas normalmente num período de 12h já se tem formação de placa. Com o tempo essa gosma vai se tornando mais espessa e cada vez mais difícil de se remover com a higienização.

  1. Consumo de açúcar

O consumo de açúcar talvez seja o mais importante. Sempre que o ingerimos, damos combustível para as bactérias. Através de sua metabolização, ocorre a queda do pH bucal. E é aí que a cárie inicia o processo de desmineralização do dente.

Nossa saliva faz de tudo para fazer o ph voltar a neutro. Portando, a frequência de consumo de açúcar é disparado o fator mais importante a ser cuidado. Se comermos açúcar de hora em hora, não damos tempo para nossa saliva agir. Sempre ficaremos com ph ácido, e isso é ótimo para a cárie.

Portanto para evitarmos a cárie, o controle da dieta de açúcar é fundamental. Não que não se possa mais comer açúcar. Mas sim diminuir a frequência de consumo – optar por ingerir próximo às refeições principais. Obviamente uma escovação adequada com creme dental fluoretado e fio dental têm papel importantíssimo na remoção da placa bacteriana.

 

MEU DENTE TINHA APENAS UM PONTINHO PRETO POR FORA E DO NADA QUEBROU!?

Sim, isso é muito comum de acontecer. Acontece que o tecido que envolve o dente, o esmalte, é muito mais duro do que a dentina (que há dentro do dente). Portando uma vez que a cárie atinja a dentina no interior do dente, ela se desenvolve mais rapidamente e mais largamente. Muitas vezes fazendo a forma de um funil.

Por isso as vezes pensamos que é uma cárie pequena no exame clínico, porém por dentro o dente já está todo acometido pela cárie. Como se fosse um azulejo oco, fácil de quebrar. Uma mordida em algum alimento mais duro pode fazer esse esmalte fraturar e aparecer o real tamanho da cárie.