RECIDIVA

Já usei aparelho, mas meu dente teve recidiva: ou seja, voltou a entrotar

A recidiva é quando o dente volta a entortar um pouco, após o paciente ter passado pelo tratamento ortodôntico.

E isso mais comum do que você imagina! Apenas um dente ou vários podem sofrer o efeito da recidiva. Vai depender de cada caso.

 

POR QUE OCORRE A RECIDIVA?

Inúmeros fatores podem contribuir para que os dentes voltem a entortar. As variáveis são infinitas!

Os dentes tem a tendência de se manterem em equilíbrio com a musculatura e funções. No momento em que alteramos essa posição dentária, o dente vai querer voltar para aquela posição em que ele se encontrava. Ou seja, uma espécie de memória.

 

Importante lembrar que alguns movimentos têm mais tendência a sofrer recidiva.

Podemos listar aqui algumas das causas da recidiva:

– DENTE MUITO GIROVERTIDOS: Dentes muito girados tendem a querer girar novamente pela ação das fibras que o ligam ao osso.

– NÃO USO DA CONTENÇÃO / QUEBRA DA CONTENÇÃO: O uso da contenção ortodôntica após o tratamento é de fundamental importância. É ela que vai manter aquele dente na posição por mais tempo. Caso o paciente não use de maneira correta a contenção móvel, ou a contenção fixa venha a quebrar, certamente a chance de recidiva aumenta muito.

– HÁBITOS FUNCIONAIS: Hábitos como interposição de língua, má posição de língua ao falar/deglutir contribuem muito para o movimento dentário indesejado.

– TIPO DE PERIODONTO: O tipo de gengiva  e espessura óssea também pode contribuir para os dentes voltarem a entortar.

– IDADE NO TRATAMENTO: Temos mais estabilidade quando tratamos na adolescência. Pacientes adultos normalmente tem uma chance maior dos dentes entortarem novamente.

– TEMPO DE TRATAMENTO: Tratamentos mais rápidos tendem a ter mais recidivas. Isso porque não dá tempo para o dente se acostumar à nossa posição.

– ENVELHECIMENTO: Com o passar dos anos, há uma diminuição do perímetro ósseo da arcada, consequentemente é inevitável um leve apinhamento com a idade.

– DENTRE OUTRAS: perdas de dente, fechamento de espaços, uma finalização ortodôntica inadequada, características musculares, etc…

Então muitas coisas contribuem para os dentes voltarem a entortar. Cabe a nós ortodontistas tentar controlar esse tanto de variáveis.

 

COMO ACONTECE A RECIDIVA?

Temos que entender que o dente se liga ao osso através do ligamento periodontal. Esse ligamento é composto de fibras. Não é a toa que algumas dessas fibras se chamam fibras elásticas. Ou seja, elas têm um efeito memória.

Quando movimentamos um dente – especialmente quando giramos um dente – estamos submetendo essas fibras a uma tensão. E existe a tendência dessas fibras quererem retornar para sua posição de equilíbrio.

A partir daí se o dente não for preso a uma contenção após o tratamento, essas fibras vão fazer o trabalho de puxar novamente o dente para a posição inicial.

Esse movimento indesejado não tem peíodo para acontecer. Dependendo do movimento, pode acontecer 3 meses depois da remoção do aparelho ou até mesmo anos depois!

 

TEM COMO SE EVITAR ISSO?

É muito difícil controlar todas as variáveis. Porém com um correto diagnóstico e planejamento se consegue altos índices de sucesso.

Uma maneira de evitar a recidiva é instalar contenções fixas em dentes com mais propensão (muito girados, espaços de extrações fechados, etc..).

Usualmente se usa contenção fixa inferior de canino a canino e contenção móvel superior. Porém isso é uma generalização. Digamos que é o mínimo. A grande maioria dos pacientes vai precisar alguma contenção fixa superior também. Aí então entra o correto diagnóstico para identificar os dentes que tem mais riscos.

 

contenção inferior

tipos de contenção inferior para evitar recidiva

contenção móvel

contenção móvel de acrílico

Por isso a escolha da contenção não pode ser generalizada. Ela precisa ser individual para cada caso!

Outra coisa que temos que entender é que o tratamento ortodôntico não é para sempre! Os dentes não vão ficar bonitinhos na mesma posição a vida inteira após a ortodontia. Imagine uma vida inteira de ação de foças internas e externas, metabolismo ósseo, idade, mastigação, agindo em cima dos dentes? Eles vão acabar se movimentando de uma maneira ou de outra.